Uma apaixonante e esplendorosa terra, um magnífico povo! Será brilhante seu futuro, construído por todos os que têm Angola no coração, que nela ou na diáspora trabalham e com amor criam suas famílias.
Domingo, 13 de Dezembro de 2020
Cuanhama - alguma bibliografia

1. Numa pesquisa bibliográfica, encontrámos o relato (1) (2) (3) de um missionário católico, Padre Keiling, a uma região de Angola então envolvida no conflito fronteiriço entre Portugal e Alemanha, na época da Primeira República portuguesa - a então chamada região do Cuanhama.

Cuanhama_1.PNGIniciada a sua publicação em 1926, no Boletim Geral das Colónias, o texto de Keiling conta dramáticas peripécias e episódios sangrentos, relacionados com a ocupação colonial do território dos Cuanhamas e a resistência oposta pelos naturais, sob as ordens do Rei Mandume. Os missionários católicos disputavam influência aos congéneres protestantes, ambos se apoiando nas respectivas forças militares em movimento na área. Segundo Keiling, Mandume, fortemente armado com carabinas militares Kropotchek, ter-lhe-á declarado que "Se o governo português quiser vir ocupar a minha terra, resistirei, enquanto tiver um cartucho e soldado capaz de atirar, e, se for vencido, suicidar-me-ei". Inicialmente "germanófilo", o Rei cuanhama veio a tornar-se pragmático nas suas alianças, procurando por vezes apoio dos britânicos, ao sabor da circunstância das disputas territoriais que se verificaram durante a Primeira Grande Guerra.

Descrevendo-os como "altos, bem formados e desembaraçados", saudando habitualmente os visitantes com um "guten tag" aprendido nas missões protestantes alemãs, a impressão que Keiling deixou nesse relato, no que respeita ao conhecimento desse aguerrido povo, foi no entanto superficial, esquemática e de nítido cariz preconceituoso, não denotando interesse de compreensão cultural.

Cuanhama_2.PNG

2. Uma vez pacificada a região, entre os estudos etnográficos nela realizados é incontornável referir o de Estermann, na sua obra  "Etnografia do Sudoeste de Angola (Vol. I) – Os Povos Não-Bantos e o Grupo Étnico dos Ambós" (Junta de Investigações do Ultramar, 1960).

3. A cultura dos cuanhamas continua até aos dias de hoje a suscitar interesse. No blogue 'Torre da História Ibérica' encontramos alguns resumos das suas características (4) (5) (6).

4. Aspectos filosóficos da sua antroponímia foram recentemente abordados num Jornal de Artes e Letras (7).

5. Aspectos teológicos dos seus ritos foram alvo de Tese de Doutoramento (8).

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

(1) http://memoria-africa.ua.pt/Library/ShowImage.aspx?q=/BGC/BGC-N018&p=19

(2) http://memoria-africa.ua.pt/Library/ShowImage.aspx?q=/BGC/BGC-N019&p=139

(3) http://memoria-africa.ua.pt/Library/ShowImage.aspx?q=/BGC/BGC-N020&p=58

(4) https://torredahistoriaiberica.blogspot.com/2009/03/os-cuanhamas-do-sul-de-angola-1.html

(5) https://torredahistoriaiberica.blogspot.com/2009/04/cuanhamas-do-sul-de-angola-2-os-comecos.html

(6) https://torredahistoriaiberica.blogspot.com/2010/08/cuanhamas-do-sul-de-angola-3-um-pouco.html

(7) http://jornalcultura.sapo.ao/patrimonio-cultural/antroponimia-kwanyama-uma-perspectiva-filosofica

(8) https://bimbe.blogs.sapo.pt/399912.html


marcadores: ,

publicado por zé kahango às 16:02
link do post | comentar | favorito

3 comentários:
De zé kahango a 13 de Dezembro de 2020 às 22:38
Sobre o Povo Kwanyama
O povo Kwanyama ocupa em Angola, uma porção da Província do Cunene numa área irregular entre o rio Cunene e o rio Kuvango. São agricultores de grãos ( Massambala e Massango), de cucurbitáceas ( abóboras e cabaças), ferreiros e criadores de gado. No passado, há pouco mais de 100 anos completavam o rendimento comunitário, com as incursões de guerra” que mais do que torná-los ricos, eram uma actividade sazonal que visava fazer adquirir aos indivíduos que nelas participavam, aquisição de estatuto dentro da sociedade particularmente os jovens, mantendo também a ideia de aquisição de qualidades de organização, disciplina, coragem entre os homens. A nação ovambo, a qual pertenciam, de língua oshiwambo, era organizada em clãs simbolizados por animais ou plantas e hierarquizada, tendo os indivíduos estatutos diferentes conforme os rituais de passagem e aquisição por via do ohamba (estatuto próximo do conceito de “rei”). Politicamente organizados em Estado ( iniciado pelo rei Xavongela, segundo Estermann, algures no século XVII-XVIII) com poderes cooperantes sendo o poder executivo fortemente personalizado na figura do ohamba, que delega os seus poderes fora do seu eumbo mas sem poderes ilimitados (Estermann) assistido por um conjunto de ministros e um conselho de notáveis dos diferentes clãs, o n´gundafana. Todo o território está dividido em vomicunda ou seja, comunas, tendo elas um chefe, o ovene vomincunda.
Concentrando-nos sobre a atividade mais nobre e que sustenta a sua identificação como “povo guerreiro” os kwanyama são considerados pelas outras comunidades, como especialistas na arte de trabalhar os metais e na cerâmica, havendo até aos anos 30 do século passado exportação de ferramentas de trabalho e armas para outros povos do sudoeste e sul de Angola, que incluem os povos !Kung (khoisan) perdendo-se com o tempo a importância destas artes, por sucessiva aquisição de equipamentos da globalização no início do século XX.
“há magníficos serralheiros que fazem as célebres facas chamadas cuanhamas, machadinhas, que são espetadas nos extremos dos porrinhos [mocas semelhantes às de Rio Maior], pulseiras, argolas, enxadas e consertam armas, transformando as de pederneira em pistão; disseram-nos até que um serralheiro transformara uma espingarda de carregar pela bôca em carregamento pela culatra, ainda que toscamente” (João de Almeida, 1908). Este estado de desenvolvimento, perder-se-ía rapidamente nas décadas seguintes.
Por esta razão, as descrições dos antropólogos dos anos 30 e anteriores, são uma fonte inultrapassável sobre esta actividade, entre eles, o padre Carlos Estermann, António de Almeida, Ernesto Lecomte e Luís Keyling, para o caso os Kwanyama em Angola que observaram o trabalho dos ferreiros antes de se extinguir o seu trabalho em contexto cultural identitário.
(Jorge Sá Pinto. Palmela 13/12/2020)


De zé kahango a 13 de Dezembro de 2020 às 23:01
Agradeço ao Jorge Sá Pinto a autorização para reproduzir aqui este esclarecedor texto sobre o povo Kwanyama.


De zé kahango a 14 de Dezembro de 2020 às 12:41


Comentar post

Editor e Redator:
José "Kahango" Frade
marcadores

a nossa gente

a nossa terra

crónica

cultura

editoriais

livros

memórias

o futuro é já hoje

poesia

todas as tags

pesquisar
 
posts recentes

Para a desconstrução dos ...

uma importante obra

"Memória do colonialismo ...

Construção da Angolanidad...

Memória do décimo anivers...

A maldição

A primeira Escola Profiss...

Para breve, a história qu...

"DESDE ANTES DA SUA CRIAÇ...

por aqui passaram os expl...

Fuba de bombó

Tomás Lima Coelho - as ra...

Lembra-te Angola - nova s...

Sé Catedral

angolanos na exposição co...

Maravilha, com 830 página...

Ora bem...

Censura, Maldade ou Estup...

do "Panorama Missionário"...

"Missão de S. Bento do Ch...

movimentos “reivindicativ...

ainda sobre o silenciamen...

a "expansão pidesca" em A...

"Angola e as Retóricas Co...

A Baixa de Cassanje

últimos comentários
Ler aqui a apresentação da segunda edição:https://...
Tenho para mim que passados vários anos após a rea...
Estudante que ao apaixonar-se por uma jovem milita...
The best Angola.Like.
Kahumba.
Obrigado! Abraço.
Suspeito que a capa deste livro tenha ofendido alg...
Mesmo assim, em rigor da verdade há motivações opo...
Sim, é precisamente desse artigo que retirei o que...
Este é um assunto que habitualmente dá origem às m...
Este, é um silenciamento voluntário. Por “má memór...
Essa rede de bufos era uma das causas do silêncio ...
Curioso e interessante. Fica registado. Entretanto...
As ficções sobre África (e também sobre os árabes....
Na verdade, não foi apenas aos colonos de Angola q...
Sim, esse é um livro incontornável para quem se in...
Esta reportagem poderá ser utilizada como um convi...
Obrigado, Karipande!
Neste século XXI, o povo Herero tem sido alvo de d...
Neste documentário, que não é etnográfico, são col...
posts mais comentados
24 comentários
8 comentários
7 comentários
6 comentários
6 comentários
6 comentários
5 comentários
5 comentários
5 comentários
5 comentários
4 comentários
Equipa do blogue
Coordenadora do Conselho Redatorial: Paula Duarte (A-Santa-Que-Me-Atura...) PAINEL DE COLABORADORES: Dionísio Sousa (Cavaleiro dos Contos), "Funka" (Nobre Reporter Permanente), João "Neco" Mangericão (Moçâmedes), Jorge Sá Pinto (Assuntos Arqueológicos), José Silva Pinto (Crónica Quotidiana), Mané Rodrigues (Assuntos Culturais), Paulo Jorge Martins (Fauna Grossa), Ulda Duarte (Linguística da Huíla), Valério Guerra (Poeta Residente).
ligações
arquivos

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Maio 2020

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Junho 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Maio 2017

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Abril 2006

Março 2006

o nosso contacto:
munhozfrade@gmail.com
subscrever feeds
blogs SAPO