Uma apaixonante e esplendorosa terra, um magnífico povo! Será brilhante seu futuro, construído por todos os que têm Angola no coração, que nela ou na diáspora trabalham e com amor criam suas famílias.
Quarta-feira, 5 de Março de 2014
Contos do Vissapa - 5

O MUCUBAL E O MALHADO

A residência de Kapingala estendia-se desde o Capolopopo à Pediva e em tempos de maior aridez podia chegar até ao Iona onde quase sempre havia pasto abundante. Kapingala um mucubal bem constituído com cerca de um metro e oitenta de altura e sem pinta de qualquer gordura extra percorria o seu território ancestral solitariamente, quase desde que dera os primeiros passos no deserto do Namibe. Um turbante de cor indefinida cobria-lhe a carapinha encrespada e na lateral do mesmo estava incrustado uma espécie de pente alongado de um dente só que servia para entrelaçar os cabelos. Junto aos caninos salientes tinha pespegada uma diminuta folha de oliveira em latão que lhe permitia falar com o seu rebanho. Uns nonkacos de pneu calçavam-lhe os pés curtidos e uma vara longa completava indumentária juntamente com um javite encaixado na piaça de couro que segurava o malapi. Ao pôr-do-sol dir-se-ia um Deus recortado na imensidão do deserto. O rebanho que pastoreava deveria ter para aí uns trinta animais que o boi de pelo castanho avermelhado com manchas brancas comandava com autoridade mugindo de vez em onde o seu vozeirão, balançando os cornos enormes com quase um metro de distância entre as hastes. O Malhado era o seu ai Jesus e homem e animal pareciam poder comunicar. Volta e meia ia até às imediações da Oncócua onde trocava duas ou três cabeças por um sobretudo militar novo, tabaco e um dois kamberiquitos para se proteger das madrugadas frias.
O seu tio Namgombe era uma espécie de Onassis do deserto. Quando lhe perguntavam quantas cabeças de gado possuía limitava-se a agarrar num punhado de areia e respondia que tantas como as diminutas pedrinhas que tinha na mão. Kapingala era filho da sua irmã Kasinda e culturalmente seria seu herdeiro por comprovada consanguinidade. Ambos não nutriam grande simpatia um por outro e Namgombe troçava da pobreza de Kapingala em matéria de gado. Por outro lado cobiçava o Malhado que via como um touro excelente para as suas imensas manadas chegando a oferecer-lhe cinco garrotes e três nemas por o bicho, proposta que Kapingala desdenhou. Certa ocasião Kapingala apaixonou-se perdidamente por uma bicicleta a pedal que o velho Aranha tinha para venda na sua loja do mato na Oncócua, pendurada do tecto. O velho Aranha tal como Namgombe cobiçava o Malhado que se dizia falava com o dono e por o mesmo possuir a fidelidade de um cão em relação ao proprietário. Nestas negociatas do mato tanto Namgombe como o Aranha esqueceram que amizade e fidelidade não se compram num sambo qualquer, mas são de facto fruto de um companheirismo e partilha de espaço e vicissitudes diversas durante longos anos.
Depois de muito regatear com o Aranha, Kapingala tremendamente entristecido acedeu a negociar o seu boi de estimação indo este parar ao sambo do astuto comerciante. O Mucubal cedo se apercebeu que bicicleta não era própriamente veículo para o deserto depois de sucessivos furos e pneus rasgados que o obrigaram a largar uma nema na loja do Aranha a troco de dois pneus, uma caixa de remendos e uma corrente para a roda pedaleira. Ao fim dois meses e verificado o trágico negócio que fizera atirou com a bicicleta por um barranco abaixo. Quando Namgombe soube do negócio de Kapingala arquitectou um plano diabólico para conseguir o Malhado e deixar o sobrinho em maus lençóis. Pela madrugada quando o deserto dorme passou pelo sambo do Aranha e com silvos tirados com a folhinha de oliveira logrou levar o Malhado atrás de si até o prender num dos seus cercados.
Quando Aranha deu por falta do bicho procurou Kapingala e acusou-o de roubo ameaçando fazer queixa na administração do Capolopopo. Este fez-lhe ver que o animal não estava com ele e convenceu o comerciante a irem fazer uma busca nos sambos de Namgombe onde descobriram o boi. Confrontado Namgombe com o furto do animal este negou e para provar a sua inocência abriu a porta do cercado e fez silvar a folhinha de oliveira em latão. O Malhado viu cá fora Kapingala e sai de lá desembestado e Namgombe põe-se à sua frente o que decretou a sua morte prematura com a marrada que levou. Nesse trágico momento Kapingala apercebeu-se que acabara por ficar o homem mais rico daquelas terras do Kuroca. O Aranha que conhecia a tradição mucubal propôs. – Kapingala podes ficar com o Malhado mas tens de me dar em troca cinca nemas e dois garrotes agora que herdaste essa fortuna toda. – Não Aranha, eu dou-te dez nemas e dez garrotes mas vais ter de mandar arranjar a bicicleta e quero dois pneus sobressalentes e cinco caixas de remendos e uma bomba para encher as câmara de ar. – E onde está bicicleta Kapingala? – Perguntou o comerciante acedendo à proposta. – Está lá ao pé da Pediva. – Respondeu-lhe o Mucubal. – Então leva lá à loja para eu mandar arranjar. – Ordenou o Aranha. – Não levo não Aranha. Vai lá procurar ela que eu também vim procurar o teu boi. Dizem que o velho Aranha procurou a bicicleta de Kapingala meses a fio sem sucesso e quando finalmente a encontrou só restava o quadro e o selim. Histórias de mucubais só acredita quem quer ou quem já foi enganado pelo Aranha.

Reis Vissapa


marcadores:

publicado por zé kahango às 10:56
link do post | comentar | favorito

Editor e Redator:
José "Kahango" Frade
marcadores

a nossa gente

a nossa terra

crónica

cultura

editoriais

livros

memórias

o futuro é já hoje

poesia

todas as tags

pesquisar
 
posts recentes

Descoberta...

Biodiversidade

Pangolim

História do Huambo

Atlas de répteis e anfíbi...

Mukanda do mais-velho

como estará o Plano?...

de Tômbua a São Martinho ...

Gravuras rupestres

como o rio

na margem do Cubango...

Bonga - reconhecimento

Cuidar do património natu...

Angola

Palanca negra gigante

"Apartheid"?

Um novo estilo...

pitangas

vigilância...

Justiça

Uma boa notícia

Novidades e continuidade

Esperança renovada...

para as terras de Ondjiva

Ovakwambundo - O povo do ...

últimos comentários
Então é na Serra da Canda, que não cheguei a conhe...
E parabéns pelo blog!https://amateriadotempo.blogs...
Segundo a informação que o Kosta fornece, trata-se...
Esta é uma grande fotografia feita por um grande f...
Zé e Valério, que lindo poema. Aproveito para vos ...
Olá,Gostaria, se fosse possivel que colocasses o n...
Simplesmente lindo.Obrigado pela viagem e pelo son...
Vejam-se aqui esplêndidas fotos de São Martinho do...
Obrigado, Zé!
Vou ver se me habituo a passar por aqui.Força Zé!
Saudações para todos/as. Cumprimentos.https://www....
Minha terta natal
Alô, boa tarde. Tenho formação em Língua Gestual p...
olá.. sou finalista do curso de serviço social. Me...
Olá, sou brasileira eestou estudando a Lingua Gest...
SAPS prezados canhotos Esperado boa disposição de ...
Bem, Francisco Cubila, a notícia que comenta já te...
A Junta Regional de Luanda, não é representante do...
Sou um jovem formado e com experiência de trabalho...
olá, cursei Antropologia(faculldade de ciênçias so...
posts mais comentados
24 comentários
9 comentários
6 comentários
6 comentários
6 comentários
6 comentários
5 comentários
4 comentários
4 comentários
4 comentários
4 comentários
Equipa do blogue
Coordenadora do Conselho Redatorial: Paula Duarte (A-Santa-Que-Me-Atura...) PAINEL DE COLABORADORES: Dionísio Sousa (Cavaleiro dos Contos), "Funka" (Nobre Reporter Permanente), João "Neco" Mangericão (Moçâmedes), Jorge Sá Pinto (Assuntos Arqueológicos), José Silva Pinto (Crónica Quotidiana), Mané Rodrigues (Assuntos Culturais), MJT Pimentel Teixeira (Prospecções), Paulo Jorge Martins (Fauna Grossa), Ulda Duarte (Linguística da Huíla), Valério Guerra (Poeta Residente).
ligações
arquivos

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Maio 2017

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Abril 2006

Março 2006

o nosso contacto:
munhozfrade@gmail.com
subscrever feeds
blogs SAPO