Uma apaixonante e esplendorosa terra, um magnífico povo! Será brilhante seu futuro, construído por todos os que têm Angola no coração, que nela ou na diáspora trabalham e com amor criam suas famílias.
Quinta-feira, 7 de Janeiro de 2021
ainda sobre o silenciamento

"Identificamos um sistema de significado, dominante, no qual, durante décadas, violência da Guerra Colonial foi ostensivamente apagada, silenciada e empurrada para o esquecimento.

Este sistema de significado é aquele que se concerta com as representações míticas sobre a identidade portuguesa, nomeadamente a ideia, ainda vigente, de Portugal como uma potência colonial não violenta ou como um país de brandos costumes."

"(...) centramo-nos no contexto português para analisar a persistência de uma construção colonial nos próprios mecanismos que fazem da violência colonial algo suficientemente longínquo ou insignificante para que se trivialize ou denegue."

Paradoxalmente (ou não), "O silenciamento da Guerra Colonial portuguesa (1961-1974) constitui um dos elementos mais estruturantes da reconstrução democrática e pós-imperial da sociedade portuguesa."

in "A violência colonial no Portugal democrático: memórias, corpos e silenciamentos", de Bruno Sena Martins - CesContexto Nº13 Abril de 2016 Debates / Centro de Estudos Sociais


marcadores:

publicado por zé kahango às 02:17
link do post | comentar | favorito

4 comentários:
De zé kahango a 7 de Janeiro de 2021 às 10:17
Este, é um silenciamento voluntário. Por “má memória”?


De Fernando Ribeiro a 9 de Janeiro de 2021 às 03:26
Este é um assunto que habitualmente dá origem às mais díspares (e muitas vezes disparatadas) reações e polémicas. Houve de tudo na Guerra Colonial mas, se quer que lhe diga com sinceridade, a maioria dos militares das Forças Armadas Portuguesas em Angola comportou-se como tropa de ocupação, com o correspondente cortejo de abusos e até de crimes, muitos deles incentivados pelos altos comandos militares, que queriam uma vitória a qualquer preço.

Quanto aos angolanos que cumpriram o serviço militar obrigatório no Exército Português (até o cantor Bonga passou pelas fileiras da tropa colonial), poderei dizer, a partir da minha limitada experiência pessoal, que tiveram um comportamento digno, o que só os honra. Este facto talvez explique, até certo ponto, a razão pela qual os movimentos de libertação, não só não os hostilizaram, mas quiseram mesmo atrai-los para as suas próprias fileiras. Tendo Angola ascendido à independência num ambiente de guerra civil, cada um dos movimentos beligerantes procurou atrair para si os antigos soldados do exército colonial, porque tinham experiência de combate. Enquanto na Guiné-Bissau os antigos comandos africanos foram em grande parte fuzilados pelo PAIGC e em Moçambique os moçambicanos que combateram a Frelimo foram rotulados de traidores e enviados para campos de reeducação, em Angola o MPLA, a FNLA e a UNITA esforçaram-se por aliciar os angolanos do antigo exército colonial a alistarem-se nas suas fileiras. Muitos fizeram-no, outros não. Os que não o fizeram não sofreram represálias por isso, tanto quanto sei.

O texto, aparentemente completo, do trabalho académico que cita está em https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/42481/1/A%20viol%C3%AAncia%20colonial%20no%20Portugal%20democr%C3%A1tico_mem%C3%B3rias,%20corpos%20e%20silenciamentos.pdf


De zé kahango a 9 de Janeiro de 2021 às 09:52
Sim, é precisamente desse artigo que retirei o que cito. No meu entender, o silenciamento por parte de quem viveu os horrores da guerra é mais evidente nos que ficaram com stress pós-traumático. Mais nesses ex-soldados do que nos mutilados.
Não deixa de ser significativa a atividade de grupos de ex-colegas de tropa que tantos anos depois dos traumas mantém encontros, convívios e almoços. Alguns contam as memórias em blogues, como sabe. As ligações pessoais construídas naquele contexto tinham muito a ver com a perda da candidez da juventude. Mas o silenciamento mais geral na sociedade portuguesa sobre essa guerra é feito por todos, não só de quem regressou. Muitos dos que ficaram na “metrópole” - não só os que beneficiaram materialmente - se calam sobre o assunto. Por isso falo em “má memória” “incómoda”...


De zé kahango a 9 de Janeiro de 2021 às 12:02
Mesmo assim, em rigor da verdade há motivações opostas para o silenciamento em causa. Por um lado, as famílias que ganharam “caixas de pinho” querem esquecer. Por outro lado, os poucos que adquiriram património habitacional graças a “proventos” de serviço preferem que se ocultem as fontes...


Comentar post

Editor e Redator:
José "Kahango" Frade
marcadores

a nossa gente

a nossa terra

crónica

cultura

editoriais

livros

memórias

o futuro é já hoje

poesia

todas as tags

pesquisar
 
posts recentes

A primeira Escola Profiss...

Para breve, a história qu...

"DESDE ANTES DA SUA CRIAÇ...

por aqui passaram os expl...

Fuba de bombó

Tomás Lima Coelho - as ra...

Lembra-te Angola - nova s...

Sé Catedral

angolanos na exposição co...

Maravilha, com 830 página...

Ora bem...

Censura, Maldade ou Estup...

do "Panorama Missionário"...

"Missão de S. Bento do Ch...

movimentos “reivindicativ...

ainda sobre o silenciamen...

a "expansão pidesca" em A...

"Angola e as Retóricas Co...

A Baixa de Cassanje

Cassange, há 60 anos...

O que Salazar negou a Ang...

O que Salazar negou a Ang...

A "crise do Ensino Superi...

fases do colonialismo no ...

fases do colonialismo no ...

últimos comentários
Kahumba.
Obrigado! Abraço.
Suspeito que a capa deste livro tenha ofendido alg...
Mesmo assim, em rigor da verdade há motivações opo...
Sim, é precisamente desse artigo que retirei o que...
Este é um assunto que habitualmente dá origem às m...
Este, é um silenciamento voluntário. Por “má memór...
Essa rede de bufos era uma das causas do silêncio ...
Curioso e interessante. Fica registado. Entretanto...
As ficções sobre África (e também sobre os árabes....
Na verdade, não foi apenas aos colonos de Angola q...
Sim, esse é um livro incontornável para quem se in...
Esta reportagem poderá ser utilizada como um convi...
Obrigado, Karipande!
Neste século XXI, o povo Herero tem sido alvo de d...
Neste documentário, que não é etnográfico, são col...
É um local fantástico! Obrigado pela sua visita. V...
Também vivi na Baia dos Tigres até meados de 1974.
Veja-se um estudo detalhado (em espanhol): http://...
Um grande abraço e votos de 2021 na maior
posts mais comentados
24 comentários
8 comentários
7 comentários
6 comentários
6 comentários
6 comentários
5 comentários
5 comentários
5 comentários
5 comentários
4 comentários
Equipa do blogue
Coordenadora do Conselho Redatorial: Paula Duarte (A-Santa-Que-Me-Atura...) PAINEL DE COLABORADORES: Dionísio Sousa (Cavaleiro dos Contos), "Funka" (Nobre Reporter Permanente), João "Neco" Mangericão (Moçâmedes), Jorge Sá Pinto (Assuntos Arqueológicos), José Silva Pinto (Crónica Quotidiana), Mané Rodrigues (Assuntos Culturais), Paulo Jorge Martins (Fauna Grossa), Ulda Duarte (Linguística da Huíla), Valério Guerra (Poeta Residente).
ligações
arquivos

Julho 2021

Junho 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Maio 2020

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Junho 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Maio 2017

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Abril 2006

Março 2006

o nosso contacto:
munhozfrade@gmail.com
subscrever feeds
blogs SAPO