Uma apaixonante e esplendorosa terra, um magnífico povo! Será brilhante seu futuro, construído por todos os que têm Angola no coração, que nela ou na diáspora trabalham e com amor criam suas famílias.
Quinta-feira, 28 de Fevereiro de 2013
Crónica do Tonspi

Não sei dançar, de todo, ponto final, parágrafo, travessão.

Há uns anos, nos tempos da minha juventude, na Europa, quando me perguntavam nas festas porque não dançava e eu respondia que tinha vindo com defeito de fabrico, dois pés esquerdos e por aí fora, aquelas desculpas meio humorísticas que usamos para disfarçar a coisa, as pessoas achavam estranho e diziam-me que eu nem parecia Africano, uma vez que os Africanos na opinião deles dançam até mesmo sem música (tenho visto mocinhas a abanarem-se tão efusivamente nos passeios de Luanda que ás vezes até gostava de lhes conhecer a música interior que as tanto faz vibrar).

Mas sou mesmo Africano, pelo menos nasci no Continente mas isto também é conversa para outra lavra e o facto de não saber nem conseguir aprender a dançar decentemente com alguém, durante anos mexeu comigo ao ponto de me inscrever numa escola de danças de salão de onde acabei por ser expulso por dar cabo dos pés da pobre professora, a D. Henriqueta, que sempre que tentava comigo dançar Tcha-Tcha-Tcha, certo e sabido que falhava as aulas do resto da semana por ficar com os pés feitos em verdadeiros trambolhos. De tanto mexer dei comigo a pensar em arranjar soluções para esta minha falta de jeito para os passos, para a dança, até porque tudo na vida exige esforço e trabalho.

Comecei por arranjar uns tangos do Astor Piazola de quem sou admirador convicto, uma vassoura e no sossego lá de casa, depois de ver centenas de videos de bailarinos de tango, comecei a dar umas passadas. A coisa até que nem saía assim tão mal e mais confiante nas minhas capacidades de riscador de pistas, decidido, enfrentei um baile dos bombeiros ali para os lados de Odivelas onde me disseram que o conjunto Manitas mais Cinco, abrilhantava todas as sextas, uma soirée dançante muito concorrida por sopeiras e meninas mais ou menos encalhadas. Posto lá as coisas mudaram de figura ao ponto de me ter deixado marcas que ainda hoje transporto comigo (duas cicatrizes e um pivot, tal foi a violência dos acontecimentos).
Aberta a pista, quis que me tocasse na rifa a menina Josélia, uma Africana de grande porte, uns bons 20 a 30cms de altura e muitos kilos a mais que eu, que gentilmente acedeu ao meu convite, "a menina dança", e lá fomos nós por ali a deslizar pista fora. Os primeiros passos saíram quase perfeitos, não fosse o problema técnico da altura dela que me obrigava a ter as narinas práticamente enfiadas no portentoso e cómodo decote de onde saía um volumoso peito que a cada passada arfava e me dificultava a respiração. A partir de um certo momento a menina Josélia, fruto do arcaboiço avantajado e se calhar por também ser bem Africana passou ela mesmo, entusiasmada com a música a levar-me em voltas e mais voltas até quase perder o tino.
O tino e um dente perdi-o quando o Miko, um pedreiro cabo-verdiano gigantesco que andava de olho na Josélia se dispôs a pôr fim ao bailarico e armar zaragata por não ter achado piada nenhuma ás minhas dificuldades técnicas. Lembro-me de ter dado várias voltas ao recinto em ombros e depois de ter feito um voo picado escada abaixo aterrando de seguida mesmo à entrada do salão de festas com as beiças em péssimo estado, ter jurado a mim mesmo que se para dançar era necessário tanto sacrifício e tanta dor, mais valia ficar só mesmo com os meus dois pés esquerdos, aqueles que os meus pais me deram quando me pariram.
É que não se pode ter tudo...


marcadores:

publicado por zé kahango às 11:34
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Editor e Redator:
José "Kahango" Frade
marcadores

a nossa gente

a nossa terra

crónica

cultura

editoriais

livros

memórias

o futuro é já hoje

poesia

todas as tags

pesquisar
 
posts recentes

"DESDE ANTES DA SUA CRIAÇ...

por aqui passaram os expl...

Fuba de bombó

Tomás Lima Coelho - as ra...

Lembra-te Angola - nova s...

Sé Catedral

angolanos na exposição co...

Maravilha, com 830 página...

Ora bem...

Censura, Maldade ou Estup...

do "Panorama Missionário"...

"Missão de S. Bento do Ch...

movimentos “reivindicativ...

ainda sobre o silenciamen...

a "expansão pidesca" em A...

"Angola e as Retóricas Co...

A Baixa de Cassanje

Cassange, há 60 anos...

O que Salazar negou a Ang...

O que Salazar negou a Ang...

A "crise do Ensino Superi...

fases do colonialismo no ...

fases do colonialismo no ...

fases do colonialismo no ...

fases do colonialismo no ...

últimos comentários
Obrigado! Abraço.
Suspeito que a capa deste livro tenha ofendido alg...
Recorde-se, como aqui já foi citada, a importante ...
Mesmo assim, em rigor da verdade há motivações opo...
Sim, é precisamente desse artigo que retirei o que...
Este é um assunto que habitualmente dá origem às m...
Este, é um silenciamento voluntário. Por “má memór...
Essa rede de bufos era uma das causas do silêncio ...
Curioso e interessante. Fica registado. Entretanto...
As ficções sobre África (e também sobre os árabes....
Na verdade, não foi apenas aos colonos de Angola q...
Sim, esse é um livro incontornável para quem se in...
Esta reportagem poderá ser utilizada como um convi...
Obrigado, Karipande!
Neste século XXI, o povo Herero tem sido alvo de d...
Neste documentário, que não é etnográfico, são col...
É um local fantástico! Obrigado pela sua visita. V...
Também vivi na Baia dos Tigres até meados de 1974.
Veja-se um estudo detalhado (em espanhol): http://...
Um grande abraço e votos de 2021 na maior
posts mais comentados
24 comentários
8 comentários
7 comentários
6 comentários
6 comentários
6 comentários
5 comentários
5 comentários
5 comentários
5 comentários
4 comentários
Equipa do blogue
Coordenadora do Conselho Redatorial: Paula Duarte (A-Santa-Que-Me-Atura...) PAINEL DE COLABORADORES: Dionísio Sousa (Cavaleiro dos Contos), "Funka" (Nobre Reporter Permanente), João "Neco" Mangericão (Moçâmedes), Jorge Sá Pinto (Assuntos Arqueológicos), José Silva Pinto (Crónica Quotidiana), Mané Rodrigues (Assuntos Culturais), Paulo Jorge Martins (Fauna Grossa), Ulda Duarte (Linguística da Huíla), Valério Guerra (Poeta Residente).
ligações
arquivos

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Maio 2020

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Junho 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Maio 2017

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Abril 2006

Março 2006

o nosso contacto:
munhozfrade@gmail.com
subscrever feeds
blogs SAPO