Uma apaixonante e esplendorosa terra, um magnífico povo! Será brilhante seu futuro, construído por todos os que têm Angola no coração, que nela ou na diáspora trabalham e com amor criam suas famílias.
Sexta-feira, 9 de Novembro de 2012
Sobre a Nova Baía de Luanda

"Ontem "desabafei" aqui acerca de uma situação vivida num trabalho que recentemente realizamos na marginal de Luanda. Na seqüência desse desabafo, recebi de alguém com responsabilidades na gestão desta zona re-qualificada da cidade uma mensagem, que desde já agradeço e saúdo pela oportunidade mas tb por poder constatar que finalmente começa a haver uma postura muito diferente do habitual "quero", "posso" e "mando" da parte de quem tem por missão zelar e gerir estes espaços. Fico portanto contente por haver quem de forma civilizada e competente tenha a preocupação de esclarecer os menos informados como eu e dissipe dúvidas que possam eventualmente subsistir, refutando as críticas por mim feitas com argumentos sustentados e plausíveis. Bem haja e uma vez mais obrigado. Da minha parte só me resta pedir aqui desculpas aos visados por qualquer dano que tenha inadvertidamente causado. Deixo-vos portanto então o esclarecimento que aconselho todos, sobretudo quem como nós tem por vezes necessidade de utilizar este espaço para trabalhar." (JSP)

"Caro JSP.
...
Li o seu post aqui no FB, sobre uma atividade que realizaram na Baía e que foram interditados pela vigilância. Aproveito para pedir imensas desculpas por qualquer transtorno causado pela vigilância da Baía de Luanda, vou explicar o que se passa. A gestão dos espaços da Baía de Luanda, operações e manutenção tem decorrido da melhor maneira, temos ocorrências diárias, alguns acidentes, tentativas de suicídio, algumas quedas no talude marítimo, crianças perdidas, alguns acidentes resultante do mau uso dos brinquedos, roubo de plantas, algumas motorizadas a circular pelo passeio marítimo e outros casos mais insólitos. A nossa principal missão é da preservação dos espaços.
• Zonas verdes
• Quadras de Basquete
• Anfiteatros
• Parques Infantis
• Mobiliário Urbano (bancos e mesas)
• Papeleiras
• Passeio
• Calçada
É um espaço novo e todos querem usar para fazer de tudo um pouco, até aí não vemos qualquer problema. O problema está no “COMO e QUANDO” usar. Trabalhos como fotografia e filmagem não existe proibição nenhuma, é um espaço da cidade de Luanda como tantos outros, pode e deve ser fotografada e filmada sempre que for necessário. Existem alguns eventos que têm alguns níveis de risco que a gestão da Baía de Luanda precisa de ser comunicada para podermos auxiliar e com a nossa equipa técnica guiarmos de melhor forma para evitarmos pequenos acidentes que se não forem mitigados, os custos de reparação são mais elevados. Se qualquer empresa/agência/grupo decidir realizar um trabalho na Baía de Luanda, entrar com os carros até ao passeio marítimo, motas, trazerem geradores, com risco de derrame de combustível, pingar óleo, fazer furos na calçada para instalar andaimes etc. e nós assistirmos sem pôr um pouco de ordem nisso, em menos de 6 meses não sei como estarão os espaços que queremos sempre limpos, conservados para desporto e laser. O pedido de autorização existe exatamente para podermos guiar onde qualquer desses equipamentos pode ser instalado, quais são as implicações no caso de não conformidade com as regras de uso dos espaços, quem devemos imputar responsabilidades com algum dano causado e possivelmente a cobrança de uma taxa para eventos com fins lucrativos. Quando é que pode ser usado?
Também é muito importante dar a conhecer a gestão da Baía de Luanda porque existe uma série de pedidos para a realização de eventos e não queremos ter surpresas de ter confirmado o evento para um dia e no mesmo dia e hora termos os que aparecem de surpresa a ocupar os espaços que estão previamente acordados, não parece correto do lado da Baía de Luanda – Gestão de Eventos ter este tipo de desprogramação. O que aconteceu convosco foi simplesmente o facto da nossa vigilância ainda não estar devidamente treinada, são sempre informados na parada quando fazem a troca de turnos, mas ainda não sabem gerir estas situações, discernir o que é um evento com muito aparato ou o que é um trabalho de fotografia ou filmagem. São treinados diariamente, essa é a vigilância que temos, não estão ai para proibir, principalmente fotógrafos, porque eu sou um dos amantes da fotografia, não sou um membro ativo dos AF mas publico algumas coisas de vez em quando. Estou a ver com o Nelson Silvestre a possibilidade de organizarem o 3º mercado da fotografia, usando um dos muitos espaços que temos. Já tivemos situações semelhantes a vossa, mas com um telefonema eu resolvi no momento, o que eu quero é que me liguem cada vez menos para casos do género, fotografia e filmagem devem ser geridos conscientemente pelos vigilantes no local, eles têm apenas que orientar caso algum fotografo precise de alguma informação adicional. Já tivemos casos mais complicados. Matias Damásio, decidiu montar uma banda no passeio próximo do canteiro das flores, umas colunas e fazer um clip, sem comunicar a gestão da Baía de Luanda. Este fim de semana tínhamos um camião, e alguns carros em cima da praça, para uma atividade com cerca de 400 alunos da universidade católica, sem comunicar e sem autorização, a nossa insistência não está em proibir a realização seja lá do que for, mas temos o direito de ser comunicados para podermos orientar onde os carros podem ficar, onde os geradores podem e devem ser instalados, onde passam os cabos etc. Infelizmente estamos a ser mal interpretados, mas aos poucos essas dúvidas vão desaparecer e os factos vão falar mais alto.
Um abraço, e obrigado pela atenção."



publicado por zé kahango às 14:39
link do post | comentar | favorito

Editor e Redator:
José "Kahango" Frade
marcadores

a nossa gente

a nossa terra

crónica

cultura

editoriais

livros

memórias

o futuro é já hoje

poesia

todas as tags

pesquisar
 
posts recentes

"DESDE ANTES DA SUA CRIAÇ...

por aqui passaram os expl...

Fuba de bombó

Tomás Lima Coelho - as ra...

Lembra-te Angola - nova s...

Sé Catedral

angolanos na exposição co...

Maravilha, com 830 página...

Ora bem...

Censura, Maldade ou Estup...

do "Panorama Missionário"...

"Missão de S. Bento do Ch...

movimentos “reivindicativ...

ainda sobre o silenciamen...

a "expansão pidesca" em A...

"Angola e as Retóricas Co...

A Baixa de Cassanje

Cassange, há 60 anos...

O que Salazar negou a Ang...

O que Salazar negou a Ang...

A "crise do Ensino Superi...

fases do colonialismo no ...

fases do colonialismo no ...

fases do colonialismo no ...

fases do colonialismo no ...

últimos comentários
Obrigado! Abraço.
Suspeito que a capa deste livro tenha ofendido alg...
Recorde-se, como aqui já foi citada, a importante ...
Mesmo assim, em rigor da verdade há motivações opo...
Sim, é precisamente desse artigo que retirei o que...
Este é um assunto que habitualmente dá origem às m...
Este, é um silenciamento voluntário. Por “má memór...
Essa rede de bufos era uma das causas do silêncio ...
Curioso e interessante. Fica registado. Entretanto...
As ficções sobre África (e também sobre os árabes....
Na verdade, não foi apenas aos colonos de Angola q...
Sim, esse é um livro incontornável para quem se in...
Esta reportagem poderá ser utilizada como um convi...
Obrigado, Karipande!
Neste século XXI, o povo Herero tem sido alvo de d...
Neste documentário, que não é etnográfico, são col...
É um local fantástico! Obrigado pela sua visita. V...
Também vivi na Baia dos Tigres até meados de 1974.
Veja-se um estudo detalhado (em espanhol): http://...
Um grande abraço e votos de 2021 na maior
posts mais comentados
24 comentários
8 comentários
7 comentários
6 comentários
6 comentários
6 comentários
5 comentários
5 comentários
5 comentários
5 comentários
4 comentários
Equipa do blogue
Coordenadora do Conselho Redatorial: Paula Duarte (A-Santa-Que-Me-Atura...) PAINEL DE COLABORADORES: Dionísio Sousa (Cavaleiro dos Contos), "Funka" (Nobre Reporter Permanente), João "Neco" Mangericão (Moçâmedes), Jorge Sá Pinto (Assuntos Arqueológicos), José Silva Pinto (Crónica Quotidiana), Mané Rodrigues (Assuntos Culturais), Paulo Jorge Martins (Fauna Grossa), Ulda Duarte (Linguística da Huíla), Valério Guerra (Poeta Residente).
ligações
arquivos

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Maio 2020

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Junho 2019

Março 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Maio 2017

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Abril 2006

Março 2006

o nosso contacto:
munhozfrade@gmail.com
subscrever feeds
blogs SAPO