Uma apaixonante e esplendorosa terra, um magnífico povo! Será brilhante seu futuro, construído por todos os que têm Angola no coração, que nela ou na diáspora trabalham e com amor criam suas famílias.
Quinta-feira, 17 de Janeiro de 2019
debatendo autarquias no Capelongo

Autarquias-870x450.jpg

Veja aqui (Mosaiko)



publicado por zé kahango às 00:30
link do post | comentar | favorito

caranguejo do Tombo

6B465FBC-578F-418C-A931-549D07B5C558.jpeg

foto de Rogério Ferreira


marcadores:

publicado por zé kahango às 00:29
link do post | comentar | favorito

uma redação infantil...

"Numa terra chamada Benguela tudo é diferente.

As escolas são ao ar livre, sem cadeiras nem mesas.

Todos ou quase todos os habitantes têm um terreno ou uma quinta, se não tiverem quintal. As próprias pessoas cuidam dos seus pintainhos, galinhas, galos, cães, gatos ou até bois e vacas. Quando a minha avó viveu lá teve todos estes animais e até teve patos e um macaco que não gostava nada do meu avô.

Quando eu fui a Benguela gostei muito dos seus doces e frutas tradicionais.

Há lá paisagens lindíssimas, cheias de grandes árvores belíssimas e encantadoras.

Lá é tudo muito bonito, mas no fundo deste paraíso há adultos e crianças que passam fome, não têm roupas e não têm casas. Mas mesmo assim são felizes com tudo o que têm, porque para eles o mais importante é a família. Todos os países deviam também achar que o mais importante é ter uma família.

E assim é o paraíso da cidade de Benguela."

N. D. F., 11 anos



publicado por zé kahango às 00:28
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 16 de Janeiro de 2019
palestra Os Direitos Humanos e a Paz

Leia por extenso e visione a importante comunicação do orador Rafael Marques aqui.



publicado por zé kahango às 20:20
link do post | comentar | favorito

envergonhado da Restinga

359AAD0B-2C0A-4C3D-8261-FECC8C8FC10C.jpeg

foto de Filipe Medina


marcadores:

publicado por zé kahango às 19:37
link do post | comentar | favorito

os Khoisan em risco

IMG_0018.JPG

A Associação MBAKITA sedeada em Menongue, tem dentro da sua intervenção, o acompanhamento das minorias étnicas sobreviventes no Kuando Kubango (KK), nomeadamente os Khoisan.

Esta associação tem lutado bastante para o reconhecimento dos direitos destas populações, nomeadamente o direito à sua própria cultura, ao acesso aos documentos pessoais, serviços de saúde e de educação e a uma vida digna.

Muito se fala dos grandes projectos ambientais e das enormes delimitações de terras em nome da preservação da natureza que tem fundamentalmente vindo a beneficiar os grandes empresários na área da hotelaria e turismo e tem sido também um factor importante na provocação da deterioração de vida destas comunidades. Liga-se a este aspecto, o assentamento forçado destas comunidades nómadas.

Por outro lado, continua a ser visível a discriminação que estas comunidades sofrem por parte dos seus vizinhos bantus.

Esta realidade mobilizou a Associação OMUNGA para, dentro da parceria que existe entre as duas associações, apoiar acções de urgência para a visibilidade da situação e a procura de políticas públicas concretas que respeitem a Constituição de Angola e os tratados de direitos humanos que Angola.

Baptistiny Sabatiny, director da MBAKITA reclama da dificuldade do trabalho de protecção dos direitos destas minorias étnicas já que “não tem nenhum marco legal que possa protegê-los.” Acrescenta ainda que o maior trabalho da MBAKITA é o de advogar para “que o governo possa ratificar a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) de formas que tenham acesso aos direitos sociais, económicos e culturais, conforme reza a própria convenção sobre os povos tribais e semi-tribais.”

(daqui)

Veja o vídeo em https://youtu.be/M2FV-NyA7sk


marcadores:

publicado por zé kahango às 18:53
link do post | comentar | favorito

entre Muxima e Cabo Ledo (2011)

estrada-muxima-caboledo-10.jpg

daqui


marcadores:

publicado por zé kahango às 17:18
link do post | comentar | favorito

o texto literário angolano

"Definir, adjectivar ou destrinçar o conceito do texto literário angolano dos outros textos redigidos também em Angola ou no resto do mundo sobre Angola é uma proposta para uma reflexão dos fazedores da literatura. (...) o texto literário angolano, oral e escrito ficou, também, envolvido com os vários momentos políticos que marcaram a vida do povo angolano, durante séculos, cumprindo a sua missão. Contudo, o autor do texto literário angolano produzido durante a luta de libertação nacional, conseguida a independência, a paz e, finalmente, a liberdade, confrontou-se com o contraditório e ficou preso no tempo tenebroso que, involuntariamente, atravessou. A sua linha de pensamento ficou bloqueada pelos desencantos do conflito armado. As tempestades amainaram, mas o texto literário angolano, acorda lentamente. Convirá, assim, rebuscar ou recuperar o tempo perdido, a fim de o alinhar com os outros textos africanos e não só. Apresentar o percurso histórico do texto literário angolano, continua a ser, assim, uma tarefa que deverá ser retomada. Pois, no país, está sendo desenhada, agora, uma linha de pensamento político que influenciará a inspiração do escritor. Porém, a questão em análise continua. Haverá, por certo, um texto puramente angolano, que não tenha impurezas ou purezas de outras realidades sociais? (...) A resposta estará, certamente, nas várias dimensões do pensamento literário. O texto literário angolano encontra a sua âncora nas ansiedades do povo angolano, facto que faz do seu autor, o forjador da angolanidade. Logo, todo o escritor que se envolva com as aspirações do povo angolano poderá produzir um texto literário angolano. Ficamos, assim, com a ideia empírica de que o nascer em Angola não nos habilita, naturalmente, a ser autor de um texto literário angolano. Para o merecermos, repetimos, será necessário, sermos intérpretes das ansiedades, perplexidades simbólicas e culturais das populações de Angola, facto que nos arrasta para o conhecimento profundo dos seus hábitos, costumes e línguas. Como as ansiedades, aspirações, vontades e desejos, de qualquer povo são iguais ou aproximados entre os povos do mundo, cantar ou chorar em Angola aproximar-nos-á, também, do cantar e chorar em qualquer parte do mundo. Assim, podemos universalizar o texto literário angolano. Porém, a fonte do caminho está nos nossos pés."

(daqui)


marcadores:

publicado por zé kahango às 15:19
link do post | comentar | favorito

a quissângua, na cultura

1RZ3R3T8.jpg

"Enquanto bebida, difere de kimbombo (da região norte) ou ocimbombo (do centro), onjupika ou onjuwa (do planalto), omakau(do sul), ombulunga (do litoral-sul) e ovingundu (hidromel do leste), por carecer de álcool obtido por fermentação. Não se assemelha ao owalende (“kapuka”,“kacipembe”ou “kaporroto”), por não possuir características de aguardente destilada. Ainda sim, distancia-se de malavu (maruvo, maluvu), por não ter origem vegetal. Não tem comparação com o mahiny (dos criadores), por não possuir características orgânicas.
Em suma, mais que bebida e comida, essencialmente de oferta, a kisângwa é, toda ela, uma instituição que no seu consumo implica uma relação de obrigação moral entre o hóspede, que encontra – «ocisanga», e o hospedeiro que oferece – «osangiwa».Chamamos atenção na diferença entre hóspede e visita. Esta última figura é ilegível em umbundu. Ambas diluem-se na designação genérica de «ukombe» (hóspede). Nas circunstâncias da sua origem, o consumo da «kisângwa» é privativo, de índole doméstica e manifesta a boa hospitalidade vinculando a relação entre os implicados.
Depois de acomodação, ainda que seja por pouco tempo, desde que haja boa intenção, ao hóspede se oferecem dois copos, no mínimo, só depois desenvolvem a conversa. O acto de oferta – okupoka -, aparentemente voluntário, é moralmente imperativo, quer para o que entrega (opoka), geralmente a dona de casa ou a filha que lhe representa, como para quem recebe (opokiwa). O exercício passou a elencar o código do direito consuetudinário pois, acto contrário, a parte ofendida pode vulgarizar o caso imediatamente condenável pela opinião pública. Isto é, se o hospede não recebe, ou se o hospedeiro não oferece, considera-se mal procedimento no cômputo social. É contra os princípios da etiqueta, deixando margem de desconsideração e falta de respeito.
Além de mais, a «kisângwa» consome-se em refeições principais familiares, quando fresca ou ao ambiente natural, assim como servida quente em pequeno-almoço. Muito usada em lazer, para inibir a sede ou a fome, de regresso ou antes de partida para uma jornada pesada, podendo servir de água, sumo, refrigerante ou cerveja, para todas as faixas etárias e ambos géneros pois, além de pobre em propriedades energéticas, não embriaga. Ajuda a recuperar o fôlego aos pacientes e convalescentes. As mães utilizam-na em beberões para desmamar os lactentes. Tem sido muito importante para o consumo das gestantes e, além de presente em cerimónias de iniciação, baptizados, óbitos, e matrimónios, lá foram os tempos em que com a batata-doce ou bómbô assado recheava a merenda escolar.
Numa família tradicional rural umbundu, particularmente, pode faltar tudo excepto a «kisângwa» e o fogo perpétuo, sendo esta instituição que iremos abordar na próxima ocasião. No geral, com as variações quer quantitativas, quer qualitativas, toda mulher é perita na confecção deste nutriente produto, bastando a fuba (farinha) de milho para a papa. O sabor e o odor, são de responsabilidade individual tendo em conta as condições, o capricho e as particularidades de cada confeccionante.
O milho, germinante ou não (osongo), pode ser torrado, antes de triturado. Também a própria fuba, pode ser torrada. As preferências variam entre a fuba limpa (da pedra ou de almofariz, sem farelo), de hidromoinho (triturada com o farelo, sem rolão), de moagem a diesel (triturada com farelo e conhecida por “palapala”). No triângulo entre as províncias do Huambo, de Benguela e da Huíla, região de produtores de «mahiny», é possível encontrar a «kisângwa» de fuba de masambala (sorgo) ou masango (painço).
Quando a papa se confecciona com a fuba limpa, a «kisângwa» torna-se bebida. Se a confecção for de fuba misturada com farelo, torna-se comida. Na primeira não há resíduos sólidos. A segunda contém propriedades que permitem o uso da colher, como se de caldo se tratasse. Ainda sim, pode-se enriquecer o fundo com o rolão grosso ou fino, tornando-a mais densa.
A depender do grau de perícia da confeccionante, a quantidade é indeterminante. Normalmente confecciona-se, aos sábados, o suficiente para cobrir a semana. Ferve-se a fuba com a água extraída da lavagem do milho por triturar ou do arroz ambos desfarelados até se achar cozida. A água do farelo de milho em si, também serve para este fim. Sobre a papa fervente mergulha-se o sumo da batata-doce, banana, abacaxi, rabanete, beterraba, goiaba, morango, anis, cana sacarina ou qualquer fruto silvestre.
Além de ricos em nutrientes, qualquer um destes condimentos, isolados ou mistos, em parte ou no seu todo, apenas adicionam-se depois de bem lavados com água natural, triturados com a casca, lançados em água até tingir na totalidade e coados com peneira servem de realce ao sabor e emprestam o precioso odor, tornando o produto muito mais apetitoso. Para efeito são moídos no almofariz ou sobre a pedra-moageira, permitindo que se extraia a quantidade do sumo necessário.
(...)
Depois de preparada, a «kisângwa» é colocada em reservatórios próprios, geralmente em panelas de barro ou cabaças capazes de suportar as quantidades desejadas. Em tempos idos, o moringue e o barril de madeira foram excelentes reservatórios. Vinte e quatro horas depois, mais ou menos, tempo suficiente para roborizar, declara-se pronto ao consumo normal quando os recipientes forem novos ou lavados. Acredita-se que a sua qualidade melhora nestes recipientes, em relação aos metálicos, plásticos ou cristais. No final, o interior dos reservatórios não se lava para precipitar a roborização posterior dispensando as vinte e quatro horas da primeira vez. Até porque, não se aconselha que o produto esgote, por isso, sobre a velha adiciona-se sempre a mais nova cujo processo se conhece por «omisa» - resíduo fermentáceo servindo na melhoria da qualidade.
O certo é que, há duas qualidades distintas que se consomem em Angola. A «quissângua» ou «kissângua»; - a mais conhecida, consumida em todo o país, comerciável e a «kisângwa»; - esta que acabamos de descrever, tradicional endógena, rural e doméstica. Ambas derivadas de «ocisangwa» diferem-se porque aquela, não é exigente bastando água fervida para confeccionar a papa de fuba de milho. Do resto, é o açúcar importado e bastante água natural que se adicionam sempre que for necessário. Para o alojamento de resíduos no seu fundo, tornando-o denso, é utilizada a palapala. Em alguns casos, precipita-se a qualificação do sabor adicionando-lhe alguma porção de soda cáustica ou fermento de pão.

(...) Hoje, vende-se nas ruas das principais cidades, por zungueiras, nos botecos, bares, refeitórios, restaurantes e consome-se com regularidade entre algumas famílias, mais ou menos, urbanas e urbanizadas."

ARMINDO JAIME GOMES

Leia mais aqui


marcadores: ,

publicado por zé kahango às 14:48
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 15 de Janeiro de 2019
água do Bimbe - 2006

Angola 2006 264.JPG

 


marcadores:

publicado por zé kahango às 14:12
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 14 de Janeiro de 2019
esquilo

3C8D5C8E-8A74-41F4-A003-9AC26D9F354D.jpeg

foto de António Martins


marcadores:

publicado por zé kahango às 22:01
link do post | comentar | favorito

kitabangas

7C9A505D-5C52-46FF-B02C-155D3AED2BCF.jpeg

Projeto Kitabanga


marcadores:

publicado por zé kahango às 07:50
link do post | comentar | favorito

Domingo, 13 de Janeiro de 2019
tecelão em flor de embondeiro

85E5B636-5E25-4B61-B0A0-AA7F1DD58AE8.jpeg

foto de Rogério Ferreira


marcadores:

publicado por zé kahango às 10:22
link do post | comentar | favorito (1)

pica-pau

884DB1AA-A49D-4C9A-B0CC-776291A9CA64.jpeg

foto de Riquita Sampaio


marcadores:

publicado por zé kahango às 00:07
link do post | comentar | favorito

maracachão

A9937B11-25AB-49B6-A809-49BE606394AF.jpeg

foto de Riquita Sampaio


marcadores:

publicado por zé kahango às 00:06
link do post | comentar | favorito

papa-figos

187C0E7D-E585-4643-BBFC-4C27DA388BB0.jpeg

foto de Riquita Sampaio


marcadores:

publicado por zé kahango às 00:05
link do post | comentar | favorito

Sábado, 12 de Janeiro de 2019
burututu

9DFA673D-1333-4530-AE4B-D8ADCD525015.jpeg

foto de José Regalla


marcadores:

publicado por zé kahango às 10:12
link do post | comentar | favorito

Editor e Redator:
José "Kahango" Frade
marcadores

a nossa gente

a nossa terra

crónica

cultura

editoriais

livros

memórias

o futuro é já hoje

poesia

todas as tags

pesquisar
 
posts recentes

debatendo autarquias no C...

caranguejo do Tombo

uma redação infantil...

palestra Os Direitos Huma...

envergonhado da Restinga

os Khoisan em risco

entre Muxima e Cabo Ledo ...

o texto literário angolan...

a quissângua, na cultura

água do Bimbe - 2006

esquilo

kitabangas

tecelão em flor de embond...

pica-pau

maracachão

papa-figos

burututu

melhorando...

Senhora do Monte

63 anos

belo site do MA

pangolim das árvores

parques naturais e desenv...

discretamente...

ecoturismo no Cuando Cuba...

últimos comentários
Não esquecer ainda o Parque Nacional do Bicuar...
Obrigado. Estamos à espera dos teus lindos poemas,...
De facto, para familiares e amigos, é uma triste p...
Obrigado pela resposta. De qualquer modo, mesmo nã...
Não, meu caro, trata-se de outra pessoa.
Caro Zé Kahango, permita-me uma pergunta: este Pim...
Obrigado por esta e futuras visitas.Um Bom Ano par...
Boa noite.No proximo ano vou acompanhar este blog....
Meu muito estimado amigo, as tuas bondosas palavra...
Obrigado, mais uma vez, querido amigo, pela tua pr...
Meu querido amigo! Prémio nos dás tu - este precio...
Obrigado, Fernando Ribeiro pelo seu comentário. Ve...
Muito obrigado, José Frade por este prémio que a t...
Muito obrigado pelo seu comentário. Essas outras r...
Não conheço o livro, mas deve ser interessante.Mui...
Então é na Serra da Canda, que não cheguei a conhe...
E parabéns pelo blog!https://amateriadotempo.blogs...
Segundo a informação que o Kosta fornece, trata-se...
Esta é uma grande fotografia feita por um grande f...
Zé e Valério, que lindo poema. Aproveito para vos ...
posts mais comentados
24 comentários
9 comentários
6 comentários
6 comentários
6 comentários
6 comentários
5 comentários
4 comentários
4 comentários
4 comentários
Equipa do blogue
Coordenadora do Conselho Redatorial: Paula Duarte (A-Santa-Que-Me-Atura...) PAINEL DE COLABORADORES: Dionísio Sousa (Cavaleiro dos Contos), "Funka" (Nobre Reporter Permanente), João "Neco" Mangericão (Moçâmedes), Jorge Sá Pinto (Assuntos Arqueológicos), José Silva Pinto (Crónica Quotidiana), Mané Rodrigues (Assuntos Culturais), Paulo Jorge Martins (Fauna Grossa), Ulda Duarte (Linguística da Huíla), Valério Guerra (Poeta Residente).
ligações
arquivos

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Maio 2017

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Julho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Novembro 2006

Setembro 2006

Julho 2006

Junho 2006

Abril 2006

Março 2006

o nosso contacto:
munhozfrade@gmail.com
subscrever feeds
blogs SAPO